A última transa com meu amante (Verídico-Vingança!)



Click to Download this video!

Meu nome é jasmine. Tenho 31 anos, sou morena clara (cabelos pretos compridos e pele bem clara). Meu tipo físico é “mignon”, pequena, e segundo as opiniões que escuto, sou gostosa.

Atualmente estou noiva e amo muito meu futuro marido. Ele é muito bonito e gostoso na cama. Porém mesmo assim, acabei saindo com um ex namorado, que na verdade era meu amante fixo antes de começar a namorar com o meu atual. Eu era amante deste homem (que chamarei de Márcio) e ele era casado. Durante 3 anos mantive este relacionamento, até encontrar o meu atual namorado, que é livre e com quem vou me casar.

Marcio tem 37 anos, é moreno jambo, com 1,70 de altura. é Um homem bonito, mas comum. Ele trabalha comigo (é comerciante) e nos encontrávamos quase todo dia. Quando comecei a namorar com o meu atual, ainda saí com Márcio algumas vezes, porém quando o namoro ficou mais sério, parei. Contei para meu namorado que tinha saido com Márcio 2 vezes, mas que tinha sido uma bobagem sem importância (não falei que eramos amantes fixos!). Meu namorado obviamente não gostou, mas acreditou que tinha sido apenas um casinho e aceitou. Mesmo assim ele não gostava de me ver trabalhando junto com Márcio (mesmo com Marcio sendo discreto e ficando na dele, pois deve ter medo do meu namorado que é bem alto e forte) e após o casamento eu iria deixar o trabalho.

A uma semana, por motivos de trabalho tive que sair com junto com Márcio para entregar uns documentos na receita federal. Foi o momento aonde ficamos próximos e sem ninguem por perto. Daí o tesão aflorou. Ele me disse que eu estava mais linda e tesuda do que nunca. Eu também me exitei, e mesmo dizendo para ele parar, não resistí. Lembrei-me dos momentos passados e começamos a nos beijar dentro de seu carro. Após resolver o problema do trabalho, ao invés de retornar-mos, ele me convidou para ir a um motel, para uma “ultima despedida”. Não resistí.

O tesão era enorme e no caminho do motel, beijávamos e eu passava a mão no seu pau (que é bem maior que o do meu noivo), latejante e já úmido de gozo.

Dentro do quarto, Márcio não perdeu tempo. Foi tirando a minha roupa e sugando os meus seios (ele adorava isso). Abrí a sua calça e tirei o seu belo pau para fora, grande e grosso, com um cheiro de tesão! Comecei a chupar aquele pau que a quase um ano não via mais e que delícia!

Márcio me pegou e me jogou por cima, e começamos a fazer um “69” delicioso. Percebí que ele estava muito exitado e que logo iria gozar. Ele me jogou na cama e enfiou seu pau todo dentro da minha bucetinha (que é bem apertadinha). Eu me arreganhei inteira para Márcio, e sentia seu pau subir e descer com muita força. Ele me beijava loucamente e me lembrei do cheiro da sua pele e de senti seu peito e barriga bem peludos se esfregando em mim. Ele dizia que me amava, que eu era o tesão dele e que não deveria me casar. Não falei nada. Logo eu sentí seus movimentos ficarem mais fortes e rápidos, e sentí seu pau como que crescer dentro de mim. Percebí que ele estava pra gozar e prendí seu corpo com as pernas, apertando-o ainda mais contra mim. Ele já não aguentava mais e disse que ia gozar. Disse para ele gozar “goza… me enche de porra la no fundinho…” ele adorava quando eu falava isso na hora do gozo. Logo sentí seu pau estremesser dentro de mim e um calor grande que sentí no fundo, e minha bucetinha ficou super molhada e quente (Não sei as outras mulheres, mas eu adoro quando o homem goza dentro, sem camisinha!). Percebí que Márcio estava emocionado, seu coração batia forte e ele tinha gozado uma quantidade enorme de esperma!

Nos separamos e minha bucetinha estava toda melada! Eu não faço isso com qualquer um, deixei Márcio gozar dentro pois conhecia ele e estou tomando remédio. Com meu próprio noivo, só a pouco tempo começamos a transar sem proteção. Apesar de não ter tempo, voltamos a nos beijar. Marcio pegava em minha bucetinha e falava para mim que era uma delícia, que ele adorava encher ela de porra. Seu pau estava ficando duro de novo, e para ajudar, comecei a chupá-lo. Sei que ele adora a minha chupada. Seu pau estava sujo de porra, e eu limpei tudo. Ele passava as mãos nos meus cabelos e gemia. Eu chupava ele, massageava as suas bolas e masturbava lentamente. Fiquei uns 10 minutos chupando ele e resolví lhe dar um presente de despedida. Ele sempre queria gozar dentro da minha boca, mas eu não deixava. Algumas poucas vezes deixei, mas de má vontade e por pura insistência dele. Desta vez fiz esta surpresa para ele. Logo percebí seu pau pulsar nas minhas mãos e a cabeça latejar, ele gemeu e gritou como um louco, urrando de prazer. Sentí um jato forte e quente de porra viscosa encher minha boca! Continuei chupando por alguns segundos até perceber que ele tinha terminado e fiquei com a boca cheia daquele líquido viscoso. Mostrei para ele a minha boca cheia de porra e fui ao banheiro cuspir.

Na verdade, além do tesão, transei com ele também para mostrar o que ele estava perdendo! Quando conhecí meu namorado, estávamos em crise, pois eu pressionava para ele largar a mulher e ma assumir. Ele não quiz e comecei o novo namoro, que é ótimo por sinal (meu noivo é muito mais gato e também uma delícia na cama!). Márcio ficou meio balançado, disse que me amava ainda e que eu não podia ser de outro. Eu disse que ia me casar com alguém livre e que me amava, e que aquilo tudo que fiz com ele, eu fazia todo dia com meu noivo. Disse que com meu noivo fazia sexo anal sempre (uma coisa que Márcio sempre quiz e poucas vezes fiz) e que para meu noivo eu não cuspia quando ele gozava. Enfim, depois de todo o prazer, me vinguei e mostrei para ele o que o outro tinha e ele não teria mais. Disse que esta transa era uma despedida e que nunca mais transaríamos ou nos veriamos. Até fiquei com um pouco de pena dele.

Agora mantenho uma posição distante e seca com ele. Quase não lhe dirijo a palavra, mesmo percebendo que ele me come com os olhos. Ele tem me procurado para conversar “preciso te dizer uma coisa muito importante…” mas me esquivo. E percebo como ele fica com ciúmes quando meu noivo vem me pegar.